Estrutura de treino do triatleta

Estrutura de treino do triatleta

Sabemos que a maior dificuldade hoje em dia, principalmente para as pessoas que moram nas grandes metrópoles, é a falta de tempo. Por esse motivo que eu digo que o triatleta é um sujeito determinado, pois ele não terá somente um esporte pela frente, mas sim três. 

As vezes não temos tempo de ter uma única refeição no dia da maneira que deveria ser realizada: calmamente, sentado à mesa sem distrações (um bom papo com um amigo ou cônjuge não se classifica como distração).

Dificilmente dentro da estrutura de treinamento do triatleta você treinará as 3 modalidades juntas (natação, bike e corrida). Em grande parte do tempo você realizará apenas 1 modalidade. Pensando desta maneira se você fizer apenas 2 vezes por semana cada uma das modalidades, estamos falando de 6 treinos semanais e isso porque não estamos contando a musculação, que é fundamental para o triatleta não se machucar.

Podemos praticar o triathlon de forma “recreacional”, sem buscar títulos ou se tornar um profissional, pois além de uma excelente atividade física, ele acaba levando o sujeito a um estilo de vida diferenciado, no mínimo bem regrado.

Para aqueles que buscam um desenvolvimento maior, a rotina semanal pode chegar até 15h de treinos (provas mais longas como o Ironman) neste caso o sujeito foi totalmente “seduzido” por esse estilo de vida, pois seus amigos serão aqueles que passarão até 5 horas pedalando ao seu lado.

Abaixo segue um rotina mais ousada para aqueles que desejam desenvolver o seu potencial se tratando de condicionamento físico.

Normalmente usamos o seguinte cronograma:

treino_triatleta

Treino de um Triatleta

Segunda: corrida (L1) / natação (L2)

Terça: bike (L1) / musculação

Quarta: corrida (L2) / natação (L1)

Quinta: bike (L2) / musculaçãotreino_triatlo

Sexta: corrida longa (L1) / natação (L2)

Sábado: bike longa (L1) transição corrida (L1)

Domingo: Off

L1 – Treino com predominância no Limiar aeróbico.   L2 – Treino com predominância no Limiar anaeróbico. Off – Dia de descanso.

Essa estrutura é a mais indicada pois estamos balanceando de forma saudável os estímulos de intensidade baixa, moderada e forte.

Podemos perceber que o cronograma é composto de 2 modalidades diárias e essas preferencialmente realizadas em períodos distintos (com exceção do sábado) ao longo do dia, por exemplo, na segunda-feira, temos corrida na parte da manhã e natação no período da tarde/noite.

E vemos que em um mesmo dia não usamos a mesma intensidade de carga, para permitir uma recuperação satisfatória do organismo, para o mesmo exemplo (segunda-feira) temos um treino de corrida que ficará próximo do limiar de lactato (L1) e o outro de natação aonde farei estímulos no limiar anaeróbio porém por períodos curtos.

Os treinos longos deixamos para o final da semana, pois normalmente temos mais tempo livre (treinos mais extensos) e são os dias que acontecem as competições, permitindo assim uma adaptação a rotina de sono e alimentação específica.

Mas como tudo na vida, isso também é adaptável, se você não consegue nadar segunda, quarta e sexta-feira e só pode terça, quinta e sexta-feira, poderá fazer essas mudanças sem grandes alterações em sua performance.

Mesmo porque essa é uma estrutura para as pessoas como nós que trabalham de 10 a 12h por dia, que já possuem a recuperação prejudicada pelo simples fato de ter que, muitas vezes, deixar de fazer uma alimentação adequada após os treinos para ir trabalhar.

O que realmente fará a diferença será, independente da estrutura que optar, manter uma constância nos treinos ao longo das semanas, quanto menos treinos forem perdidos mais forte seu corpo e a sua mente ficarão.

Bons treinos :D

Sobre o Autor

Sócio Diretor da Equilíbrio Treinamento Personalizado. Personal trainer e professor por vocação. Filosofo e sonhador por inspiração! Saiba mais sobre o Roy