Glutamina, o que é?

Glutamina, o que é?

Você conhece a glutamina? O uso de suplementos alimentares vem sendo amplamente estudado ao longo do tempo já que esses produtos são indicados para indivíduos não saudáveis – com a função de suprir alguma deficiência de nutrientes – e para atletas e praticantes de atividade física – como estratégia, onde o principal objetivo é aumentar a performance.

A suplementação de glutamina é uma dessas estratégias, utilizada em situações onde há intenso catabolismo (quebra de substâncias para liberação de energia) como em exercícios prolongados e intensos, principalmente no período pós-esforço, onde objetiva-se a recuperação.

O que é Glutamina e para que serve?

É o aminoácido livre mais abundante no organismo, em um indivíduo que pesa aproximadamente 70kg apresenta cerca de 70-80g da mesma, distribuída por diversos tecidos corporais, sendo que, 80% da glutamina  corporal encontra-se no músculo esquelético que por sua vez, é responsável pela síntese (produção), estoque e liberação.

Ela é classificada como um aminoácido não-essencial, mas isso vem sendo questionado, pois em situações críticas, como cirurgias, traumas e exercícios físicos exaustivos a síntese de glutamina não supre a demanda exigida pelo organismo. As concentrações adequadas desse nutriente permitem maior eficiência da função celular.

Considerando que durante o exercício ocorre um aumento da utilização* e diminuição da demanda de glutamina, a suplementação torna-se importante nos atletas de resistência.

*A diminuição da glutamina sanguínea pode ocorrer em exercícios/esportes com duração superior a 60 minutos.

o que é glutamina Atuando no músculo

Ela atua como moduladora na síntese proteica e parece estar relacionada à regulação metabólica e a entrada do aminoácido na célula, isso serviria como um estímulo para a síntese e/ou inibição da degradação proteica e do glicogênio muscular resultando em maior hipertrofia muscular.

Nesta situação, a suplementação evita o catabolismo muscular para síntese de glutamina para outras células do corpo, permitindo assim que o tecido muscular usa-la para sintetizar tecido muscular novo, resultando em maior hipertrofia. A suplementação com esse aminoácido é muito interessante, porque pode auxiliar na manutenção da massa magra.

Imunidade x Exercício x Glutamina

Os treinamentos intensos e prolongados (ex: maratonistas e corredores de média e longa distância), associados com períodos de recuperação insuficientes, estão relacionados à depressão do sistema imune e à maior incidência de infecções respiratórias. O treino intenso provoca diminuição na concentração plasmática de glutamina durante o exercício e após várias horas e até mesmo dias.

Estudos indicam que o estresse induzido pelo exercício parece ser o fator de desequilíbrio entre a produção, liberação, captação e utilização da glutamina. Essa imunodepressão torna os atletas mais suscetíveis a processos infecciosos. Neste caso, a suplementação desse nutriente está indicada, para fortalecer o sistema imunológico e proteger o atleta de infecções.

Quem pode tomar?

Ela pode ser ingerida por praticantes de atividade física, pois ela favorece o ganho de massa muscular.

Além disso, pessoas que se recuperam de feridas ou de cirurgias também podem consumir para melhorar a recuperação, fortalecer o sistema imunológico e prevenir infecções, por ser o principal alimento das células do sistema de defesa do corpo.

Como tomar a Glutamina?

A quantidade recomendada para se consumir esse suplemento é de 20 a 40 g por dia para pessoas que se recuperam de feridas ou cirurgias, e de 10 g a 20 g para atletas.

Ela pode ser ingerida de 4 formas diferentes:

DE MANHÃ: Para intensificar o transporte de glicose no organismo,  5 gramas de Glutamina em jejum.

PRÉ TREINO: No pré treino (30 minutos antes do treino), 4 gramas.

PÓS TREINO: Para evitar perda de massa muscular, 5 gramas de Glutamina na refeição pós treino. Isso contribui para recuperação muscular.

NA CEIA: Para finalizar o dia, 5 gramas de Glutamina durante a última refeição (ceia). Isso melhora a produção do hormônio do crescimento, acelerando o processo de crescimento dos músculos.

Mas o ideal é conversar com seu nutricionista antes para que as doses sejam individualizadas.

Intestino e glutamina

Pode estar associada ao tratamento com lactobacilos, para ajudar na reparação e recuperação da parede intestinal lesionada por desarranjos intestinais

Pesquisas são feitas com algumas alternativas de suplementação antes, durante e após o exercício, a fim de reverter a diminuição da concentração de glutamina que ocorre após o esforço físico.

Lembre-se: O seu nutricionista deverá avaliar a sua real necessidade de suplementação, a quantidade indicada e o horário adequado.

Nunca utilize suplementos alimentares sem orientação! Procure uma nutricionista.

Gostou? Compartilhe! Siga nosso Facebook!

Sobre o Autor

Nutricionista por amor... Deixe que a nutrição cuide de você! Marque sua consulta CRN:3-40982