Jejum intermitente: saiba o que é e como afeta a saúde

Jejum intermitente: saiba o que é e como afeta a saúde

Já ouviu falar em jejum intermitente? E se tudo o que você já ouviu até hoje, sobre comer de três em três horas fosse mentira? E se o mesmo valesse para a importância do café da manhã? De repente, você descobre que nada disso é verdade.

Bem, pelo menos é isso que afirmam os praticantes do “jejum intermitente”, prática que consiste em deixar de se alimentar durante muitas horas, controlando-se os alimentos ingeridos nos horários permitidos. Trata-se de uma forma diferente de ver os benefícios de manter intervalos diferenciados entre as refeições.

No post de hoje você vai entender melhor como funciona pra quem quer emagrecer e conhecer a opinião profissional da nutricionista clínica Deise Santiago sobre o assunto. Vamos lá?

O que é o jejum intermitente

Jejum intermitente é uma prática que consiste em ficar de 12 a 14 horas (em média) sem comer e depois alimentar-se, sempre de forma saudável e equilibrada, durante uma janela de tempo determinada.

Essas são as regras gerais, mas há variações quanto ao tempo de jejum e aquilo que é permitido comer. Continue a leitura para entender melhor.

Os tipos de jejum intermitente

Existem diversas maneiras de se praticar o jejum intermitente, os chamados protocolos. Todos eles, porém, incluem refeições saudáveis durante a janela de alimentação e hidratação constante, mesmo quando não se está comendo.

Você vai conhecer alguns agora, nenhum deles é melhor que o outro. Eles apenas serão mais ou menos adaptáveis às suas necessidades. Por isso, conversar com um profissional é imprescindível.

Você poderá escolher, por exemplo, uma das seguintes opções:

Jejum de 16 horas/LeanGains

Tido por muitos como a forma mais de praticar o jejum intermitente, esse tipo permite comer em uma janela de 8 horas por dia para homens e 9 ou 10 horas para mulheres. Você escolhe o melhor momento para criar sua janela de alimentação e pode fazer 2, 3 ou até mais refeições.

Dieta 5:2

Existem algumas versões para este protocolo. Uma bastante aceita baseia-se na ingestão de pouquíssimas calorias durante 2 dias na semana e alimentação normal nos demais.

Nos dias do jejum, recomenda-se que as mulheres comam 500 calorias e os homens, 600 calorias. Podem ser ingeridas duas pequenas refeições de 250 a 300 calorias.

Jejum-intermitente

Chá, água e café são permitidos durante o jejum

Coma – Pare – Coma

Nesse sistema (cujo nome em inglês é: eat-stop-eat) escolhem-se um ou dois dias da semana para ficar completamente sem comer. Em outras palavras, realiza-se uma refeição e a seguinte, só no mesmo horário no dia seguinte.

Este método costuma ter uma adaptação mais difícil e é importante fazer refeições ricas em fibras antes do jejum.

Água, café e outras bebidas não calóricas são permitidos durante o jejum, mas nenhum alimento sólido.

 Dieta do Guerreiro

Esta dieta consiste em comer durante o dia vegetais e frutas e, à noite fazer uma refeição normal. Nessa dieta tudo que se come deve ser natural, o mínimo industrializado possível.

Esse protocolo preconiza uma janela de alimentação de apenas 4 horas por dia e do final da tarde até de noite.

Jejum de 12 horas

Neste caso, passa-se metade do dia sem comer (incluindo as oito horas recomendadas de sono). Nele é indicado que você faça três refeições ao longo do dia, ficando, por exemplo, das 20h da noite até às 8h da manhã sem se alimentar.

Jejum intermitente funciona para todos?

De acordo com a nutricionista Deise Santiago, o jejum intermitente pode, sim, levar ao emagrecimento e, inclusive, ser uma boa alternativa para quem quer sair do platô (quando o organismo estaciona num determinado peso):

“Se a pessoa aprender a realizar o almoço e o jantar de forma balanceada, acredito que o jejum intermitente seja um ótimo começo para uma reeducação alimentar e para voltar a emagrecer.”

Mas, há outros lados a serem considerados e Deise alerta que “baixa ingestão calórica emagrece, mas não serve para qualquer pessoa.” Ela cita, por exemplo que jejum por tempo muito longo “pode levar à hipoglicemia, pressão baixa e gerar desconfortos como vertigem, enjoo e até vômitos e desmaios”.

De toda forma, “há pessoas que nunca conseguiram comer todas as refeições e ficam bem apenas com o almoço e jantar, essas pessoas sempre fizeram o jejum intermitente sem saber”, ela pondera.

O que faço se quiser aderir ao jejum intermitente?

Assim como outras mudanças na alimentação, aderir ao jejum intermitente é uma decisão que não deve ser tomada sem orientação profissional.

Deise lembra bem: “Muitas vezes, porque funcionou com um conhecido, achamos que vai ser igual com a gente, mas pode não ser.”

O ideal para que sua saúde não seja afetada, é fazer um check up e conversar com um nutricionista para juntos avaliarem se este é o método mais indicado. Considere, por exemplo o seguinte:

São muitas as variantes que envolvem um emagrecimento saudável e Deise garante: “para cada uma dessas perguntas tem um método diferente de tratamento para emagrecimento”.

E então, será que você está pronto para fazer um jejum? Pense nisso e sucesso!

banner post

Sobre o Autor

Jornalista - Editora da Hora do Treino.

Artigos Relacionados